Praça que era para ser de lazer virou de insegurança | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Praça que era para ser de lazer virou de insegurança

Praça que era para ser de lazer virou de insegurança

por Dijair Brilhantes

No final de dezembro de 2013, moradores do Bairro Anair, em Cachoeirinha, receberam a aguardada notícia: finalmente, depois de anos, a comunidade teria um local para lazer e para prática de esportes. Desde então os moradores viram toda a mobilização e a construção ganharem forma.

Estimada em pouco mais de 1,6 milhões de reais, a Praça de Esportes e Lazer deveria ter sido entregue outubro do ano passado, e está há cerca de três meses parada. Os moradores reclamam que o local virou depósito de lixo e ponto para uso e venda de drogas. “A obra está parada há meses, e o local virou um ponto para usarem drogas, e esconderijo de assaltantes” explica Pedro Lopes, morador do bairro há 45 anos. Ele ainda pede uma providência imediata. “Ou eles terminam a obra ou colocam um guarda, porque além de deixar o bairro inseguro estão saqueado tudo que já foi colocado na praça”, conclui.

A comunidade do Bairro Anair reclamam que além de perderem o local, que mesmo sem infraestrutura era usado para o lazer, ficaram com uma praça inacabada, impropria para uso

A comunidade do Bairro Anair reclamam que além de perderem o local, que mesmo sem infraestrutura era usado para o lazer, ficaram com uma praça inacabada, impropria para uso

Bairro sem área de lazer

A comunidade do Bairro Anair ficou sem área de lazer, no local onde estava sendo construída a praça existia um campo que era utilizado para jogos de futebol, mesmo sem estrutura alguma. “Nossos filhos hoje não tem mais lugar para brincar, jogar bola, pois terminaram com o campo para fazer a praça e agora não tem nenhum nem outro”, diz Jaqueline Santos.

A paralisação das obras está trazendo outros transtornos aos moradores do bairro. Jaqueline conta que em dias de chuva a “praça” alaga, trazendo sujeira, lixo, além dos ratos. “Em dias de chuva, enche de água, alaga a rua e traz ratos para dentro de casa”, completa.

Sem solução imediata

A solução para o caso está longe de ter um final feliz, conforme o Secretário de Esportes, Valdir Mattos, a obra está parada porque a empresa que havia ganho a licitação desistiu do projeto. “A empresa começou a fazer a obra, quando chegou na parte do acabamento eles desistiram”, explica o secretário. Valdir diz que a prefeitura já multou a empresa em cerca de 400 mil reais, mas é preciso aguardar os prazos que a empreiteira tem para se pronunciar. “A prefeitura notificou a empresa responsável por fazer a obra três vezes, e multou em 400 mil reais, agora temos que aguardar os prazos que a empresa tem para se pronunciar”, explica o titular da pasta.

O secretário lembra que para a conclusão da obra ocorra será necessário fazer uma planilha com um levantamento de todo o material que será usado, relatando o que já foi danificado nesse tempo. “Temos total interesse em terminar a obra, estamos gastando muito para manter o local fechado, com a troca dos tapumes, por exemplo. Já informamos a Caixa Econômica Federal, agora temos que aguardar”, complementa Valdir Mattos. A praça, que era para ter sida entregue em outubro do ano passado, não tem previsão para ser concluída.

Vereador cobra explicações da comunidade

O vereador Irani Teixeira (PC do B), diz que faltam explicações da Prefeitura e da Secretaria de Esportes quanto ao atraso das obras da praça. “A obra está parada há três meses, não há uma justificativa à comunidade, o secretário de esportes só diz que a empresa desistiu e foi notificada pela prefeitura, mas não mostra os documentos de notificação”, diz Irani.

O vereador diz estar juntando os documentos e se ficar comprovado que houve descaso da prefeitura com o dinheiro público ele ingressará com uma ação no Ministério Público. “A situação está quase que insustentável se for comprovada que houve desperdício de verba pública, a prefeitura é a responsável”, afirma o vereador. “E as depredações que ocorreram lá, quem irá pagar, aquilo lá é dinheiro do povo”, questiona.