Pavimentação e segurança é principal queixa no bairro Cohab | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Pavimentação e segurança é principal queixa no bairro Cohab

Pavimentação e segurança é principal queixa no bairro Cohab

por Dijair Brilhantes

A série de reportagens sobre bairros do Jornal Correio de Cachoeirinha desta semana traz o Bairro Cohab. Um antigo bairro, com velhos problemas. Segurança, pavimentação e espaço de lazer sem manutenção são as principais queixas dos moradores.

Segurança

O Bairro Cohab, como quase todos os bairros abordados pela série até aqui, sofrem com a falta de segurança, o que até pouco tempo era considerado pelos moradores da cidade como um local tranquilo. Segundo Antônio Leonel, presidente da Associação de Moradores do Bairro Cohab, diz que hoje ele vê a segurança como uma prioridade no bairro. “Um reforço na segurança é preciso, pois estão havendo assaltos e arrombamentos na região, principalmente por causa dos novos loteamentos que estão abrindo ao redor do bairro”, explica Antônio.

O presidente diz que eventualmente é possível visualizar uma viatura da Brigada Militar no bairro. “A brigada até passa de vez em quando, mas às vezes não ajuda muito”, complementa Antônio, morador do bairro há 40 anos.

Antônio Leal está há quase dois anos em frente a associação dos moradores do Bairro Cohab, e diz que a associação está sempre aberta a comunidade para ideias e sugestões, para que o bairro possa evoluir

Antônio Leal está há quase dois anos em frente a associação dos moradores do Bairro Cohab, e diz que a associação está sempre aberta a comunidade para ideias e sugestões, para que o bairro possa evoluir (crédito: Anderson Almeida/CC)

Cadê o asfalto?

A maior queixa do moradores é a questão da falta de asfalto, ruas esburacadas e mal sinalizadas, algumas até mesmo intrafegáveis, como é o caso da Rua Jaci Nunes da Silva, onde verdadeiras crateras dificultam a passagem dos carros. “É um vergonha isso aqui, não dá para aguentar todo esse desrespeito”, lamenta o morador Fernando Aguiar.

Segundo Fernando, a prefeitura já prometeu diversas vezes resolver a questão, mas até agora não há sinal de que o problema será resolvido. “Nas duas últimas eleições, o Gilson (vice-prefeito) veio até aqui e prometeu que em dois anos todas as ruas de Cachoeirinha estariam asfaltadas”, reclama Fernando.

Pedro, que também é morador da rua não acredita que a obra irá sair. “Isso aqui está pior que as obras da ERS 118, pois nem perspectiva temos”, disse o morador.

Fernando lembra que outros bairros mais novos já estão asfaltados e o “quarentão” Bairro Cohab ainda não. “Pagamos IPTU há quarenta anos, e não temos asfalto, outros bairros mais jovens já têm”, lamenta.

Prefeitura

O presidente da Asmocc, Antônio Leonel, diz que entende que a população faça as cobranças e até solicita que as mesmas sejam encaminhadas para a associação. “Eu como presidente da Asmocc quero dizer que temos uma associação de bairro atuante e qualquer problema relacionado ao nosso bairro nos procure, porque unidos seremos mais fortes”, disse o presidente.

No dia 4 do mês passado, o secretário de Infraestrutura, Ibaru Barbosa, a diretora de Direitos Humanos, Sueme Pompeo de Mattos, na companhia do presidente Antônio Leonel estiveram reunidos para tratar sobre a conclusão da passarela entre a Asmocc e a EMEI Criança Feliz, demanda solicitada pelos moradores.

Secretário quer aproximação

Ibaru pediu mais envolvimento da comunidade para que ações como essa aconteçam. “As associações devem aproximar a sociedade do governo, devemos envolver os moradores”, comentou o secretário. A diretora de direitos humanos informou que reuniões acontecem uma vez ao mês, entre a Secretaria de Governo (SMG) e as associações de bairros. “A partir de agora estamos realizando novos cadastros, espero que em 2015 a participação seja maior”, completou Sueme.

Leonel conta que na semana passada, ele esteve reunido com o Prefeito Vicente Pires e ouviu que as ruas do bairro irão receber o asfalto. “Os moradores precisam ter calma, mas eu falei com o prefeito na reunião e ele me garantiu que o asfalto vai sair, é preciso ter calma”, explicou Leonel.

Lazer

Há alguns espaços de lazer no Bairro Cohab, na sede da Associação dos Moradores é realizado o projeto Segundo Tempo, uma parceria entre o governo federal e a prefeitura, realiza atividades para as crianças de 7 à 17 anos, no turno inverso ao das aulas. Segundo Antônio Leonel, há uma boa procura. “As crianças participam de jogos de Futebol, Xadrez, Damas tudo fora do horário de aula”, explica o presidente.

O campo de futebol, um espaço amplo para os moradores praticarem esportes. Nele também ocorrem as atividades do Segundo Tempo, um programa para crianças poderem ter uma atividade no turno inverso da escola. Morador reclama que o espaço está sendo usado para o consumo de drogas

O campo de futebol, um espaço amplo para os moradores praticarem esportes. Nele também ocorrem as atividades do Segundo Tempo, um programa para crianças poderem ter uma atividade no turno inverso da escola. Morador reclama que o espaço está sendo usado para o consumo de drogas

Antônio Leonel convida as crianças a participarem, para isso basta procura a associação de moradores. A pracinha infantil que fica aos fundos da creche, precisa de manutenção, os brinquedos estão deteriorados pelo tempo.

O campo de futebol que deveria servir como um espaço de lazer estaria sendo usado para o consumo de drogas. “O campo de futebol virou um ajuntamento de gurizada para fumar maconha, começa cedo da tarde e entra a noite”, diz um morador que preferiu não se identificar. “A brigada e a guarda municipal passam aqui de vez em quando, mas tem que ser mais frequente”, conclui.

O presidente da Associação de moradores faz um convite a comunidade a participar dos projetos desenvolvidos no local. Além do Segundo Tempo para crianças de 7 a 17 anos, há a ginastica para mulheres de todas as idades

O presidente da Associação de moradores faz um convite a comunidade a participar dos projetos desenvolvidos no local. Além do Segundo Tempo para crianças de 7 a 17 anos, há a ginastica para mulheres de todas as idades