Mudanças na seleção de conselheiros Tutelares gera polêmica | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Mudanças na seleção de conselheiros Tutelares gera polêmica

Mudanças na seleção de conselheiros Tutelares gera polêmica

As mudanças no processo seletivo para a escolha dos Conselheiros Tutelares gerou polêmica entre os moradores de Cachoeirinha. Algo já esperado, segundo a Presidenta do Condica, Lorete Ester. “As mudanças sempre geram polêmica, é normal que agrade alguns de desagrade outros”, explica Lorete. Com o novo modelo, o candidato precisa realizar um a prova contentando questões de Português, sobre o Sistema único de Saúde(Sus), Serviço Único de Assistência Social (Suas) e Estatuto da Criança e Adolescente (Eca), além das Leis municipais.  Somando um total de 30 questões, sendo necessário atingir no mínimo 60 por cento de acertos. “Tivemos o cuidado de elaborar uma prova que fosse para pessoas formadas no ensino médio, porque era isso que exigia o edital”, explicou Lorete. Depois de concluída a etapa de provas os candidatos passam pelos testes psicotécnicos e posteriormente serão obrigados a apresentar certificados de cursos referentes à área já concluídos, o edital exige o mínimo de 80 horas de cursos de qualificação nos últimos dois anos.

Conselheiros

A equipe de membros que atualmente compõem o Conselho Tutelar aprovaram a medida. Segundo Tarciz Laus, uma das conselheiras, o novo método qualifica o processo. “Foi uma decisão do Condica, eles entendem que essa é uma forma de preparar o candidato”, falou Tarciz. Da mesma forma entende Benta Rejane, outra conselheira,  “particularmente eu achei muito bom, nós como conselheiras nos sentimos na obrigação de passar na seleção, principalmente porque já tínhamos conhecimento do Eca”, explicou..

Já para a conselheira Iara Mello, o processo deverá sofrer novas alterações. “Eu entendo que primeiramente deveríamos passar pelo curso e somente depois fazer a prova, para daí sim teríamos uma base para fazer a prova”, entende Iara.  A opinião de Iara vai ao encontro de outra candidata aprovada. “Acho q qualificar é ótimo, porém a ordem do processo seletivo que achei que não foi a ideal. Pois acredito que o curso deveria ser antes da aplicação da prova até pra ser um meio justo de classificação. Pois daria oportunidade pra mais pessoas participarem”, lembra Aline Mello, que já foi conselheira em dois mandatos de 2006 a 2008 e de 2009 a 2011.

Prova contestada  

O conselheiro Esdras Ramos, questiona que uma das questões da prova não havia resposta correta. “Algumas questões da prova são discutíveis, uma delas que foi dada como errado acabou ficando sem resposta”, lamentou Esdras. Como se trata do primeiro processo seletivo nesse molde, talvez o Condica precise fazer alguns reajustes, é o que pensa Benta Rejane. “O Condica precisa ajustar algumas coisas que acabaram sendo falhas nesse primeiro processo”, alertou Benta.

Segundo Lorete Ester, todos os itens do processo seletivo que sofreram algum tipo de contestação foram devidamente esclarecidos pelo Condica, através dos meios oficiais. “Eu vi que houve questionamentos nas redes sociais sobre a prova e sobre o processo, mas não tenho tempo para ficar respondendo picuinhas, todos que questionaram pelos meios legais, abriram protocolo foram respondidos”, disse Lorete. A presidenta do Condica ressalta que inclusive duas questões foram anuladas após alguns candidatos entrarem com recurso. “Três questões foram interrogadas duas delas acabaram sendo anuladas porque a comissão entendeu que era necessário, já a terceira não vimos motivos para que isso ocorresse”, explicou Lorete.

Método aprovado

Conforme a presidenta do Condica, mesmo com todos os questionamentos, o novo método de seleção atingiu as expectativas, já que o numero de participantes foi maior que no processo anterior. “O número de inscritos foi maior este ano, no processo anterior haviam 19 inscritos contra 26 desse ano, o que mostra a credibilidade que esta seleção atingiu”, disse Lorete. Segundo Lorete as mudanças foram baseadas nos métodos já aplicados em cidades vizinhas e pela preservação do órgão Conselho Tutelar. “Nós sabemos que em sempre há alguém que tem interesse politico por trás do candidato, e não quer dizer que o método novo irá terminar com isso, mas garantirá que o conselheiro esteja engajado na instituição enquanto estiver trabalhando ali”, falou.

O conhecimento especifico colaborará para que o trabalho seja bem feito, há alguns dias um caso de maus tratos a um adolescente comprovou isso para Esdres. “Eu fui até uma residência depois de uma denúncia de maus tratos para socorrer um menino, chegando lá me deparei com uma cena lamentável, uma criança de 12 anos desnutrida, totalmente debilitada, a minha experiência fez com que eu notasse que o caso era grave e que eu deveria pedir ajuda para a Samu, fiz isso relatei o caso e o socorro foi imediato”, lembra Esdres.

O conselheiro lembra que conseguiu um leito de internação no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, algo que costuma ser bem difícil na atualidade. “Um leito de transferência de Cachoeirinha para Porto Alegre costuma ser difícil, imagina direto, mas como eu relatei toda a situação acabei conseguindo”, conclui.

 

Nepotismo também foi questionado           

Uma outra polêmica que circulou nas redes sociais diz respeito a um suposto caso de nepotismo que poderia estar ocorrendo no processo seletivo para o conselho tutelar. Isso porque a atual conselheira Iara Mello, e sua filha Aline Mello participaram da primeira etapa de seleção, ambas realizaram a prova. “Eu fiz a prova porque eu queria testar meus conhecimentos e é permito que eu participe conforme o edital, o que eu não posso e não vou fazer é concorrer nas eleições”, explica Iara Mello. A conselheira lembra que ela e a filha não tinham a certeza da aprovação e preferiram não arriscar. Aline lembra que a Lei está clara e que em momento algum gerou dúvida. “A lei é bem clara que não pode servir o mesmo conselho parentes, mas isto na hipótese de ganhar, a mãe participou mais para me incentivar mesmo”, falou Aline que também é advogada. “Embora neste momento ir para o conselho traga bastante prejuízos principalmente financeiros. Eu gosto muito deste trabalho tanto é que me especializei na área”, concluiu.