Moradores da Olaria vivem o medo da ilusão | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Moradores da Olaria vivem o medo da ilusão

Moradores da Olaria vivem o medo da ilusão

Há mais de duas semanas fora de casa, devido aos alagamentos, moradores do Bairro Olaria vivem o medo da ilusão das novas promessas de serem removido para o Loteamento Chico Mendes. Sonho antigo da população do local.

Enquanto aguardam, os moradores são obrigados a dividirem quartos em alojamentos com outras famílias, cena que se repete anualmente.

Os abrigos de Cachoeirinha continuam acolhendo a população ribeirinha do Bairro Olaria. Até à tarde de ontem, 4, 106 pessoas estavam distribuídas em três alojamentos da cidade. É o caso de Silvio Roni Cevero, 48 anos. “Moro há pouco tempo na Olaria, foi a primeira grande enchente que passei, mas acabei perdendo muitas coisas, principalmente minhas ferramentas”, lamentou Silvio, que trabalha como serralheiro.

O morador é uma das pessoas que espera pelo fim do imbróglio que envolve o loteamento Chico Mendes. “Sou totalmente a favor da remoção para o Chico Mendes, não podemos mais viver essa situação, fomos para lá devido a necessidade, mas estamos invadindo o espaço da natureza”, falou Silvio Cevero, que está abrigado em um dos alojamentos cedidos pela prefeitura.

Descrédito   

Ao chegar no Bairro Olaria, ainda é possível se deparar com as águas que devastaram quase tudo do pouco que tinham os moradores daquela região. Nas casas da entrada já não há mais água, apenas lama, que a os próprios habitantes do local se encarregam de limpar. Ademir Peres tem 45 anos de idade, 25 deles morando na Olaria, para ele a situação precisa ser resolvida, e as autoridades locais pararem de fazer promessas e agirem. “Vamos ver se o prefeito cumpre o que nos prometeu na última reunião, pois ele nos deu a palavra que em trinta dias sairia o orçamento para reiniciar as obras do Chico Mendes”, lembrou Ademir, se referindo à reunião ocorrida na escola Lampadinha, na última sexta-feira, 31, que contou com a presença do Prefeito Vicente Pires e do vereador Marco Barbosa (PSB), um dos criadores da Frente Parlamentar para viabilizar o Chico Mendes.

Paulo Renato Griller, mora na Olaria desde 1995, gostaria de ter participado da reunião, mas segundo ele uma forte gripe o impediu. “Tinha muita água no pátio para eu sair de casa, e como eu estava com uma gripe forte não tinha como sair”, explica. Sobre a possível mudança para o Loteamento Chico Mendes, o morador vê com bons olhos, mas não acredita num final positivo. “Eu nem sei onde fica o Chico Mendes, mas eu vou para onde for preciso para não passar mais por isso. Minha casa tinha dois meses, estragou todos os móveis, além do material que eu tinha guardado para terminar a reforma”, lamentou Paulo. Para não precisar ir para os alojamentos cedidos pelo município, o morador ficou alguns dias na casa da mãe em Canoas, cidade vizinha. “Não acredito que um dia sairemos daqui, é noventa e nove por cento de chances de isso cair no esquecimento como das outras vezes”, lamentou.

40 anos de espera  

Zuleica Tavares tem 61 anos, há quatro décadas reside no Bairro Olaria, ela diz duvidar que algum dia será removida junto com os vizinhos para o Loteamento Chico Mendes. “Eu duvido muito, só vou acreditar quando ocorrer, quando te levam para o abrigo eles dizem que vão fazer tudo e resolver a situação, quando a água baixa, tudo volta ao normal e nós voltamos a ser esquecidos”, queixa-se Zuleica.

A idosa ainda ressalta que o tratamento dado pela Defesa Civil foi exemplar. “A Defesa Civil fez e está fazendo tudo que é preciso, nos tiram de casa, nos levaram para o abrigo e estão nos prestando toda a assistência, com roupas, cobertas, e alimentos, que disser o contrário está mentido”, falou a moradora que mora com a neta de 15 anos, em uma das casas atingidas pelas cheias do rio Gravataí. Ela diz ter perdido tudo que tinha na casa. “Não conseguimos salvar nada e o tempo chuvoso assim como hoje (ontem) nos deixa preocupados”, conclui.

Próximos dias ainda preocupam

Conforme Fernando Kern, coordenador da Defesa Civil de Cachoeirinha, a preocupação da moradora é valida, já que a previsões climáticas indicam fortes  chuvas na segunda quinzena deste mês, o que pode agravar ainda mais os problemas dos moradores da Olaria.