Leio Sim! | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Leio Sim!

Leio Sim!

Embarcando na realidade

Hoje trago dois livros bem realistas, um deles inclusive é baseado em fatos do cotidiano, mas para mostrar também que nós podemos aprender com a leitura e tirar lições para o nosso dia a dia. Aproveite!

 

Quando Saturno Voltar, Laura Conrado

Quando Saturno Voltar

Mais um livro para quem gosta de literatura brasileira, desta vez da mineira Laura Conrado. O livro é bem escrito e dinâmico e por se tratar de uma jornalista como protagonista, acabei me identificando. Sobre o enredo: Quando Saturno Voltar nos apresenta Déborah Zolini, jornalista, que vive sua vida e seu cotidiano normalmente, atuando como assessora de imprensa de um clube de futebol da segunda divisão. Ela também namora Sérgio, um médico, há quatro anos. Como a grande maioria das pessoas, ela planeja sua vida, quer casar, construir uma vida com o namorado, arranjar um emprego melhor, enfim, quer que algo realmente aconteça na sua vida. Certo dia, ela viaja ao Chile e lá encontra uma mulher que diz para Déborah que Saturno está retornando, ou seja, ele leva cerca de 29 anos para dar uma volta no sistema solar e voltará à posição em que estava quando ela nasceu. A protagonista não acredita nem dá muita importância para esse fato, pois não acredita em astrologia, que nesse caso diz que esse é o momento em que as pessoas passam por várias mudanças. Mesmo sem acreditar, ela decide pedir às estrelas então para realizar seus desejos. Já voltando para o brasil, a jornalista tem um encontro inesperado com Henrique, alguém que vai fazer com que ela questione diversos pontos da vida dela. Afinal, o grande problema aqui é que ela está acomodada. E quantas vezes não estamos simplesmente acomodados com nossa vida, com medo de arriscar, com medo do novo, com medo de sair da zona de conforto? Esse é o grande questionamento. Ela começa a enxergar realmente as mudanças que sua vida precisa, mas essas mudanças precisam partir da coragem dela e não dos outros – ou de Saturno. O livro é leve, dinâmico e divertido e ainda assim consegue fazer o leitor se questionar sobre muitos pontos. A leitura fica completa com trechos de poemas de Paulo Neruda, escritor que a protagonista adora.

 

Quem, eu? – Fernando Aguzolli

QUEMN_EU_1429127168392359SK1429127168B

Antes de começar a falar desse livro, preciso dizer que essa atitude de Fernando Aguzolli me emocionou muito, pois assim como ele também tenho uma avó que sofre com o Mal de Alzheimer e que, infelizmente, hoje não lembra de praticamente nada de sua vida. Falando agora sobre o livro: Fernando largou tudo, emprego e estudos, apenas para cuidar da avó Nilva, em 2013, diagnosticada com a doença. Mas ele não se ressentiu por isso, bem pelo contrário: dessa situação surgiram diversas histórias e momentos engraçados, outros emocionantes, que ele decidiu compartilhar em uma página criada no Facebook. Todos começaram a curtir e compartilhar e as histórias de Fernando e da vó Nilva acabaram se tornando muito conhecidas. Assim surgiu o livro Quem, eu?, que chega agora em nova edição revista e ampliada, com uma reunião de todos os momentos vividos entre os dois, além de entrevistas com profissionais para ajudar outras famílias que enfrentam esse mesmo obstáculo. Mesmo rindo com as situações engraçadas narradas com muito bom humor pelo neto, não tem como não se emocionar com essa entrega e esse amor que ele nutriu pela avó e ela por ele, mesmo às vezes sem se lembrar quem ele era. O Alzheimer é uma doença muito triste, e só tendo muita coragem e força de vontade se consegue encarar de frente essa situação. O importante é fazer como Fernando, e levar o bom humor junto, para tentar sorrir até mesmo quando é inevitável deixar que as lágrimas escapem.

 

“Para superar de verdade nossos problemas, precisamos nos reinventar. Mergulhar dentro dos próprios pensamentos e encontrar uma pontinha de esperança que nos faça querer seguir em frente e parar de chamar tanta atenção pra algo que, no final das contas, é só nosso.” (A menina que colecionava borboletas – Bruna Vieira)