Jiu Jitsu: mente e corpo | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Jiu Jitsu: mente e corpo

Jiu Jitsu: mente e corpo

por Caroline Weigel

Um lugar que trabalha e ensina valores, hierarquia e conduta. Muito mais do que uma academia, é uma escola. Assim se caracteriza a Sul Jiu Jitsu, localizada na Rua Tapajós, 15, com aulas de Jiu Jitsu – o carro-chefe -, judô, Muay Thai e treinamento funcional.

Rafael Aires Lang, 37 anos, professor e dono do espaço, que foi fundado há 2 anos em Cachoeirinha, conta sobre a ideia de trazer a escola para Cachoeirinha. “Quando comecei no Jiu Jitsu, fui treinado pelo Rodrigo Pofal Porto, que era de Cachoeirinha, e nós competíamos direto, tínhamos treino puxado. Ele passou mal e acabou falecendo e eu quis continuar essa história dele, de trazer a Sul Jiu Jitsu para Cachoeirinha”.

O professor iniciou como atleta da modalidade aos 20 anos, e continuou competindo até os 30 anos. Dentre as conquistas, ele já foi Campeão Gaúcho e Campeão Sul-Americano. Depois, decidiu se formar em Educação Física pela Ulbra e seguiu por essa área. “São poucos os instrutores faixa preta que dão aula em Cachoeirinha”, acrescenta.

No final de dezembro, antes das férias, a Sul Jiu Jitsu tinha 72 alunos só da modalidade. “Meu sonho é passar dos 100 alunos”, salienta Rafael. Dentre os destaques, o treinador cita Adão Silva, que nesse ano completa 67 anos, e está ativo no Jiu Jitsu.

Defesa pessoal

Rafael salienta também que o Jiu Jitsu é a única arte marcial que serve realmente de defesa pessoal. “Ela utiliza o corpo e a mente. É um jogo de xadrez. Torna a pessoa mais centrada, na hora da tomada de decisões, não pode se apavorar. Ela trabalha com uma filosofia budista, que acaba passando para o dia a dia do aluno. É a única luta que eu conheço que é realmente uma defesa pessoal, pois não existe agressão, nem chute, nem soco”.

Além disso, no Jiu Jitsu o tamanho do aluno não interfere na luta. “O tamanho não quer dizer, os fracos e pequenos podem ganhar dos grandes”, completa.

Para Rafael, toda mulher deveria praticar o Jiu Jitsu. “É a melhor maneira de defesa pessoal. Nos Emirados Árabes, todas as escolas terão essa aula como obrigatória”, diz. A Sul Jiu Jitsu conta com 9 alunas, mas espera mais. “Espero que esse número aumente em 2015”.

Projetos sociais

Nesta semana, Rafael abriu 10 bolsas de 50% para filhos de brigadianos do 26º Batalhão de Polícia Militar. “Infelizmente nossa polícia está desvalorizada, o salário é baixo e são pessoas com boas condutas, que passaram isso para os filhos. Queremos ajudar. O projeto se chamará ‘Lutando por um Mundo Melhor’”, diz.

Depois, no futuro, ele quer abrir mais 20 vagas integrais para crianças carentes da cidade. “Para isso queremos a ajuda de empresários para os quimonos. Nós temos aqui advogados, dentistas, empresários, e queremos criar um convívio entre essas crianças e essas pessoas, para que elas convivam com outros públicos e possam ser tiradas do mundo da drogadição”, completa.

Horários

A partir de março, as aulas retornam em horários normais, com duração de 1h: às 7h, às 10h, às 12h, às 14h e às 20h. “É uma hora de duração mas o aluno pode vir em mais de uma hora por dia”, explica.

 

Preços