Incêndio no Bethânia: Duas casas queimadas e um difícil recomeço | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Incêndio no Bethânia: Duas casas queimadas e um difícil recomeço

Incêndio no Bethânia: Duas casas queimadas e um difícil recomeço

Corre-corre, estouros e sirenes assustaram os moradores do bairro Bethânia na noite da última segunda-feira (23). “Eu estava fazendo janta para os meus filhos e escutando um som de sirene. Achei que tivesse vindo do vídeo-game do meu filho. De repente vi um clarão com uma fumaça, era assustador”, contou a Liegue Brum, moradora do bairro. Por volta das 20h15min os bombeiros já estavam a postos tentando apagar as chamas haviam começado há 10 minutos.
O fogo teria iniciado na parte dos fundos de uma casa de madeira da Rua dos Capistranos, nº 360 de propriedade de Sandra Fernandes Gonçalves. Segundo o histórico registrado no Corpo de Bombeiros a residência foi totalmente queimada. Moravam lá 2 famílias com 3 crianças.
Um vizinho que tentou ajudar na hora do incêndio, relatou que a possível causa pode ter sido um curto circuito. “Havia muitos eletrodomésticos ligados a uma tomada através de um multiplicador (também conhecido como “T” ou “Extensão”). Acho que a tomada não suportou”, contou a testemunha.
Outras duas casas também queimaram parcialmente. A de número 270 e a de número 250 de Everton Santos Andrade.
Em todas as 2 residências habitavam crianças que na hora do incêndio foram abrigadas na casa de vizinhos.
Felizmente ninguém ficou ferido.

Solidariedade veio da casa ao lado

Se os bombeiros agiram de forma rápida e eficaz os vizinhos também não fizeram diferente. Ao perceberem os primeiros sinais de fumaça saíram em sua maioria para tentar socorrer as famílias atingidas. Liegue conta que muitos vizinhos subiram em telhados com baldes de água e mangueiras para tentar conter o fogo. “Um dos moradores subiu em um muro, pulou encima de uma caixa d’água e tirou o cano e tentou apagar o fogo com o reservatório. Sem sucesso”, lamentou.
As primeiras doações também partiram dos vizinhos assim como o convite de hospedagem. Durante que quase toda a noite, um mutirão se revezava próximo ao local do fato para proteger os poucos pertences que sobraram das famílias das vítimas.

O Recomeço I

Para a família de Sandra Fernandes Gonçalves que perdeu tudo no incêndio, junto com a tristeza de ver todos os pertences de uma vida virar cinzas, também ficou a emoção de ver a mobilização de vizinhos e amigos arregaçarem as mangas e correrem para contribuir com o recomeço.
Jéssica Oliveira, a filha, conta que no momento do incêndio viu muitos vizinhos e amigos correrem para  tentar salvar os seus móveis. Depois viu as mesmas pessoas correndo para buscar material de construção, roupas, móveis e alternativas para viabilizar uma solução para ela e para  sua família.
“Na minha casa moram 2 famílias com 3 crianças (uma com 7, 5 e 2 anos de idade) . Na hora do fogo elas foram levadas as pressas para casa de um vizinho.  Nem foram à escola hoje. Estamos todos muito abalados” explicou Jéssica.

Na manhã de ontem (24), os amigos da Jovem de 23 anos já haviam se mobilizado através das redes sociais e organizado uma festa que irá angariar fundos para ajudar a construir a nova casa da família. A festa deve arrecadar dinheiro, roupas e alimentos não perecíveis.

“Estou emocionada. Meus amigos são minha segunda família. Estão sempre do meu lado. Nem tenho o que dizer e nem como agradecer”, emocionada disse Jéssica.

Recomeço II

O jovem casal Erverton  Santos de Andrade, 28 anos,  Kheyzanara Lodeiro e a pequena Luiza que irá fazer 2 anos no próximo mês tem uma difícil missão daqui pra frente, o de recomeçar. Kheyzanara conta que no último domingo havia terminado uma pequena reforma onde o casal havia feito um empréstimo bancário que ficará pagando por um bom tempo.  No incêndio da última segunda-feira (23),  perdeu pelo menos 2 quartos, roupeiros, roupas de cama, vestuário e parte dos seus móveis que ao serem retirados as pressas pelos vizinhos foram totalmente danificados.
“Meu marido ficou tentado ajudar a combater o fogo na casa do vizinho onde começou o incêndio e quando vimos já estava pegando fogo na nossa casa”, contou.
Por hora, família está hospedada na casa da mãe de Kheyzanara, dormindo no chão, na expectativa de que uma ajuda ou solução possa contribuir nesse recomeço.
“A Defesa Civil esteve aqui, mas nos disse que só poderia se responsabilizar pela limpeza. Precisamos seguir em frente e achar uma saída”, concluiu.