Greve do INSS atinge cerca de 90% do Rio Grande do Sul | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Greve do INSS atinge cerca de 90% do Rio Grande do Sul

Greve do INSS atinge cerca de 90% do Rio Grande do Sul

Após assembleia realizada no último dia 28, os servidores do INSS ocuparam as ruas do centro da capital para chamar a atenção da população. Em ato simbólico os manifestantes carregaram vassouras nas mãos representando a varredura da corrupção. Alguns chapéus eram em formatos de gota de petróleo referindo-se a operação lava jato. Nesta quinta-feira, 06, a greve completou um mês, sem avanços nas negociações envolvendo o Sindispre- RS e o governo federal. Segundo o diretor do Sindicado dos Trabalhadores Federais da Saúde. Trabalho e Previdência no RS, Fábio Alvarenga, ocorreram inúmeras reuniões, sem sucesso. “Nos reunimos diversas vezes com representantes do governo em Brasília, mas não houve propostas concretas, no papel para nos dar alguma garantia”, explica o sindicalista. A categoria pede 27% de reposição, condições de trabalho, concurso público e incorporação de gratificações. “Estamos na luta ainda, houve conversas mas não tivemos nenhuma proposta concreta”, ressaltou Anete Fraporti, técnica em seguro social da agência de Cachoeirinha.

A servidora ainda ressalta que mesmo que a paralisação seja parcial, o serviço está sendo prejudicado, pois segundo ela no mínimo seis servidores estão paralisados.

Paralisação é a solução

Na maioria dos casos as paralisações não são vistas com bons olhos pela sociedade, que sempre acaba prejudicada, mas segundo o advogado Edson Schel, infelizmente a greve acaba sendo o único recurso encontrado pelos servidores para serem ouvidos. “Certamente a categoria tentou negociar com o governo federal antes de decidir pela paralisação, mas como não foram ouvidos eles optam pela greve”, disse o advogado que atua no direito previdenciário. A opinião do diretor sindical vai ao encontro do defensor. “Ninguém gosta de fazer greve, a paralisação é ruim para todos, mas foi a forma encontrada pela categoria”.

Schel lamenta a paralisação, pois mesmo entendendo a necessidade ele vê a sociedade prejudicada, pois os trâmites dos processos previdenciários já costumam ser lentos. “O processo fica muito prejudicado, se for preciso fazer um requerimento administrativo, fica impossível, pois o sistema administrativo fica totalmente inacessível, caso seja necessário é preciso a intervenção do juiz”, concluiu o advogado. A quinta-feira, 6, foi marcada por atos de protestos em todo o estado, chamado pelos servidores de descomemoração de aniversário de um mês de greve.

Caravana

No próximo domingo, 9, às 18h, está marcada uma caravana do SindisprevRS (Travessa Francisco Leonardo Truda, Centro) o grupo grevista será o 2ª que partirá a Brasília. Na quarta e quinta-feira, centenas de trabalhadores grevistas de todo o Brasil realizarão protestos junto aos ministérios do Planejamento, Previdência e no INSS.

Segundo os sindicalistas, o objetivo é pressionar o governo para a abertura de negociação. A greve no RS tem adesão de 90% da categoria.