Fique atento ao seu GATO | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Fique atento ao seu GATO

Fique atento ao seu GATO

As doenças dos cachorros são conhecidas por toda a população. O cachorro também apresenta logo no início algum sintoma quando está com problema. Porém, os gatos são diferentes. “Gatos geralmente escondem os sintomas. Quando notamos o comportamento estranho deles, provavelmente já está avançado: é preciso procurar o veterinário o quanto antes”, explica a farmacêutica Fabiana Brandão, da farmácia de manipulação Vida Animal. Portanto, o cuidado que o dono de um gatinho deve ter com as doenças é dobrado, já que é difícil perceber quando ele está doente.

As doenças do gato podem ser infecciosas, urinárias, respiratórias ou de trauma. “Os gatos são exigentes para tomar água, se a água ficar parada por muito tempo, ele não vai tomar. Isso vale também para a caixinha de areia, se não tiver limpa, ele não vai usar. Assim, pode agravar o surgimento das doenças urinárias”, acrescenta Fabiana. As doenças respiratórias possuem vacina e passam de gato para gato.  Nas doenças infecciosas, estão: a panleucopenia felina (parvovirose dos gatos), a FIV, também conhecida como Aids felina, a FELV, ou leucemia felina e a PIF, peritonite infecciosa felina.

Panleucopenia

É uma doença viral que acontece aos gatos domésticos, e não é transmissível ao homem e nem a outros animais de estimação. Os principais sintomas são febre, falta de apetite, depressão, vômitos e diarreia, desidratação e queda dos leucócitos. Os sintomas podem variar entre diferentes organismos, podendo ocorrer de forma praticamente assintomática até os casos de morte súbita, sendo que nestes casos é comum que a panleucopenia seja confundida com envenenamento.

Essa doença é considerada um dos distúrbios gastrointestinais mais mortais para os gatos, apresentando uma taxa de mortalidade de aproximadamente 80% dos indivíduos contaminados. O vírus infecta sobretudo gatos jovens, com idade inferior a 1 ano, sendo rara a ocorrência em espécimes adultos. Os gatos que vivem soltos estão mais expostos à contaminação pelo vírus da doença. A vacinação é bastante eficaz, sendo que a incidência de panleucopenia é muito baixa nas populações de gatos que recebem as doses da vacina nos primeiros meses de idade.

FIV (Feline Immunodeficiency Virus ou vírus da imunodeficiência felina)

Este vírus afeta felinos de todas as idades, sendo mais comum em animais mais velhos. Nos gatos, por exemplo, em idade superior a cinco anos e não possui cura. A principal forma de transmissão é por ato sexual ou por mordidas, portanto tem mais chance de acometer machos, que se envolvem mais em brigas. Existem outras fontes de infecção, como, a transfusão sanguínea, transmissão vertical (da mãe para o filho), que pode ser através da placenta ou através do leite durante a amamentação.

Não há muito a se fazer para tratar esta doença, o animal que se infecta passará o resto da vida com o vírus em seu organismo. É feito o tratamento sintomático que não elimina efetivamente as infecções, tratando apenas as infecções oportunistas.

FeLV (Leucemia Viral Felina)

É um vírus que ataca e enfraquece o sistema imunológico do gato. A infecção pelo FeLV é passada de um gato a outro pelo contato íntimo e prolongado, sendo o vírus eliminado pela saliva, urina e fezes. Ele é transmitido principalmente através de lambeduras e mordeduras. Gatas prenhes podem transmitir o vírus pela via transplacentária e para os recém-nascidos através do leite materno e lambedura dos filhotes.

A infecção pelo FeLV pode se dar de duas formas distintas: no primeiro, o vírus ataca tecidos e órgãos do sistema imune, o que pode deixar o gato suscetível a uma série de doenças, infecções respiratórias, lesões de pele, anemias, infecções orais, retardo na cicatrização de feridas e problemas reprodutivos. A maioria dos gatos infectados morrem desses sintomas. Na segunda forma, os gatos desenvolvem câncer, aparecendo como tumores. Sabe-se que 33% das mortes por câncer em gatos são devidas à Leucemia Felina.

Não existe tratamento específico para infecções pelo FeLV. Geralmente, realiza-se apenas tratamento sintomático para as infecções decorrentes, anemias e neoplasias.

PIF (Peritonite Infecciosa Felina)

Existem muitas incertezas quanto à PIF, seja quanto às causas, quanto ao tratamento ou mesmo quanto à prevenção. A PIF afeta o intestino, o fígado, os rins, o cérebro e e todo o sistema nervoso dos animais. Possui duas formas: a não-efusiva (seca) e a efusiva (úmida), sendo que nesta última há a formação abcessos nos órgãos afetados.

Estatisticamente, a maior parte dos gatos afetados pela PIF têm menos de dois anos de idade. Acredita-se que a PIF ocorra quando o coronavírus entérico (FECV) muta dentro do organismo do felino e evolui para a PIF (FIPV). A PIF é portanto uma doença secundária do coronavírus, e as duas não se confundem. As causas dessa mutação ainda são desconhecidas, mas especula-se que haja predisposição genética. Especula-se também que a fragilização do sistema imunológico (desencadeada por situações de stress, desnutrição, acometimento por vermes, ou outros problemas de saúde, como a FIV e FELV) possa levar à mutação.

Apenas 1% da população contaminada pelo coronavírus entérico (FECV) irá realmente desenvolver a PIF (FIPV).3 A mutação é, portanto, considerada rara. Por essa razão, a PIF propriamente dita não é considerada contagiosa, já que depende de circunstâncias internas do organismo do felino.

Dentre os principais sintomas da PIF estão a perda de apetite, emagrecimento rápido do animal, anemia, diarreia, anorexia, febre constante, abdômen distendido, dificuldade respiratória, inchaço nos gânglios linfáticos, dores intensas e comprometimento visão ou das funções neurológicas.

Não há cura, seja para o coronavírus entérico (FECV), seja para a sua variante PIF. A maior parte dos gatos contaminados pelo coronavírus entérico viverá muitos anos de forma saudável, sem que o vírus jamais se manifeste. O gato que desenvolve a PIF (úmida ou seca) não tem prognóstico bom. O gato com PIF efusiva (úmida) viverá no máximo 2 meses. O gato com PIF não-efusiva (seca) pode viver até um ano com boa qualidade de vida.