Estado à espera de imigrantes | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Estado à espera de imigrantes

Estado à espera de imigrantes

O Rio Grande do Sul vive a expectativa de receber nas próximas horas novos imigrantes vindos pelo Acre. Um primeiro grupo, de 43 haitianos e senegaleses, já está desde a madrugada de segunda-feira em Florianópolis, e parte deles deverá vir para o Estado e se dirigir ao interior. Conforme a Secretaria de Trabalho e Desenvolvimento Social do Estado, são senegaleses que buscarão Caxias do Sul e Passo Fundo para se estabelecer, mas sem data certa de chegada. O mais provável é eles irem por conta própria para essas cidades.

Autoridades chegaram a esperá-los na estação rodoviária na madrugada de segunda-feira, mas a vinda não se confirmou, em meio a tantos desencontros de informações que marcam a vinda dos imigrantes. Na capital, a Secretaria Municipal de Direitos Humanos espera para quinta-feira a chegada do maior grupo, de cerca de 88 pessoas em dois ônibus.

O secretário de Direitos Humanos, Luciano Marcantônio, disse ter conseguido junto ao governo do Acre atrasar a partida dos ônibus com os haitianos para ontem (25), para que fosse possível organizar os preparativos ao recebimento do grupo. Até então a saída deles de lá estava programa para a última quinta-feira e eles chegariam neste começo de semana. “Queremos acolhê-los da forma mais digna possível”, disse.

Marcantônio informou, porém, que como a vinda do grupo não foi previamente combinada entre o governo do Acre, o governo federal e o Estado, a estrutura para receber os haitianos em Porto Alegre não será a mais adequada.

Na capital os imigrantes deverão ficar no Centro Humanístico Vida, da Secretaria Estadual do Trabalho, na Avenida Baltazar de Oliveira Garcia, bairro Sarandi, onde foram colocados colchões.

Ajudas são bem-vindas

O secretário de Direitos Humanos da capital lembra que donativos são bem-vindos, principalmente de lençóis, colchões, cobertores e produtos de higiene pessoal. Quem quiser encaminhar colaborações pode fazer contato com a secretaria (51.3289.2058). O telefone é o mesmo para quem pretende oferecer emprego aos haitianos. Segundo Luciano Marcantônio, uma empresa de Porto Alegre já sinalizou com 50 vagas. “O sonho deles é trabalhar para mandar dinheiro às famílias”, menciona.

A Secretaria do Trabalho do Estado monitora a oferta de trabalho para os imigrantes e já acionou as Agências de Trabalho e Emprego em outras cidades.

Chegada na madrugada

Em Florianópolis o grupo de 43 imigrantes, sendo 24 senegaleses e 18 haitianos, chegaram por volta da 1h da madrugada em ônibus fretados que os levaram a um ginásio, onde a prefeitura local montou abrigo para recebê-los por cerca de uma semana. Dentre os haitianos, três são mulheres, encaminhadas para outra unidade de acolhimento. Uma, com gripe, foi levada a hospital. Conforme o governo municipal informou em seu site oficial, tradutores voluntários ajudaram a repassar orientações a eles. O grupo é, ainda, cadastrado por órgãos como o Sine, para futuroencaminhamento a empregos. A prefeitura local considera que a maioria deve vir mais para o Sul do país, onde muitos já vivem e possuem família.

Informações desencontradas

A falta de informações para organizar a recepção e ajuda aos imigrantes será assunto de reunião, nesta quarta-feira, entre comitiva gaúcha e integrantes da área de imigração do Ministério da Justiça, em Brasília. O secretário de Direitos Humanos da capital, Luciano Marcantonio, criticou o fato de saber pela imprensa da vinda dos haitianos, sem que houvesse combinação prévia conjunta entre os governos do RS e do Acre e o ministério.