Enchentes atingem Cachoeirinha e ponte é interditada por causa da chuva | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Enchentes atingem Cachoeirinha e ponte é interditada por causa da chuva

Enchentes atingem Cachoeirinha e ponte é interditada por causa da chuva

Uma cena que não se via em Cachoeirinha há muito tempo: a chuva que atinge o Rio Grande do Sul há mais de uma semana – com uma leve parada no sábado – acabou por fazer a água subir e invadir a pista da Avenida Assis Brasil que dá acesso a Cachoeirinha, para quem vem de Porto Alegre, interditando a ponte.

De acordo com um comunicado colocado no facebook da Prefeitura de Cachoeirinha, o acesso pela ponte ficará fechado, pelo menos, até às 6h desta terça-feira, 21. Para entrar na cidade, é necessário usar o retorno provisório da Free Way, indo até próximo da praça de pedágio, retornando pela Free Way e ingressando pela Papa João XXIII, ou a BR-116.

“Desde que houve a duplicação da ponte, nunca mais isso tinha acontecido”, conta Suzane Bampi. Ela estava aflita, pois a irmã estava no Hospital em porto Alegre esperando a alta do bebê que tinha ganhado. “Moro há 40 anos aqui. Quando eu era criança isso acontecia direto, mas desde o novo asfalto aqui, nunca mais tinha visto isso”, relata.

A Defesa Civil de Porto Alegre retirou uma família que estava ilhada. Segundo Yasmin Boldani, moradora da casa, desde quarta-feira passada a água estava subindo e eles ficaram ilhados na sexta-feira. “A água ainda não entrou, mas já colocamos tudo para cima”, disse.

Parque da Matriz também sofre

Outro bairro que está com problemas por causa das enchentes é o Parque da Matriz. A Avenida Panamericana está sem acesso à sua última quadra, quando encontra com a rua Pacaembu, por causa da água que cobre tudo.

As ruas paralelas à avenida principal do bairro e que encontram com a Pacaembu também estão alagadas, como a Bonsucesso e a Anápolis. Lúcio Flávio dos Santos, morador da Anápolis, disse que foi questão de uma hora e meia para que a água subisse de maneira alarmante. Os bombeiros estiveram na tarde de ontem no local.

Olaria alagada

Desde a semana passada, a Vila Olaria já sofre com a cheia do Rio Gravataí, mas ontem o nível atingido foi alarmante. De acordo com Cemarino de Freitas, supervisor da Defesa C ivil de Cachoeirinha, o rio estava 6,31 metros, quando seu nível normal é 1,60. “Está subindo um pouco menos do que 4cm por hora”, disse.

Na Olaria, a situação é alarmante. De acordo com a Defesa Civil, o rio chegou a 6,31m e sobe a pouco menos de 4cm por hora; na foto, a situação do bairro no dia 14 de julho

Na Olaria, a situação é alarmante. De acordo com a Defesa Civil, o rio chegou a 6,31m e sobe a pouco menos de 4cm por hora; na foto, a situação do bairro no dia 14 de julho

 

Esta foi a foto tirada ontem na Vila Olaria

Esta foi a foto tirada ontem na Vila Olaria

 

Ele estava no bairro para tentar retirar as 10 famílias que ainda estavam no local. “Não tem outra saída”, completou, acrescentando que a Cruz Vermelha está ajudando a Defesa Civil de Cachoeirinha.

O primeiro abrigo preparado para as famílias da Olaria, na Casa de Cultura, precisou ser substituído, por apresentar problemas de infiltração. Assim, as famílias foram realocadas em três espaços: cerca de 60 pessoas foram para um abrigo na Rua Anápio Gomes, mais 50 pessoas foram para uma Igreja na Rua Imbuí e 20 pessoas foram para outra Igreja na rua Dona Otília.

Outro bairro atingido pela cheia do Rio Gravataí é o Meu Rincão, onde moram 140 famílias. Destas, em torno de 40 estão abrigadas em casas de parentes. Ao todo, calcula-se que 380 pessoas estejam desalojadas na cidade.

Sem água

As fortes chuvas estão prejudicando o abastecimento regular de água em parte da Região Metropolitana. Localizadas junto ao rio Gravataí, as estações de captação de Cachoeirinha e Alvorada foram inundadas ontem, 20, o que obrigou a Corsan a desligar as bombas por medida de segurança, para evitar que queimassem.

Com o desligamento da captação de Cachoeirinha, a Estação de Tratamento de Água local está funcionando com vazão reduzida, o que pode afetar o abastecimento em partes da cidade e de Gravataí. A normalização do fornecimento de água depende da baixa no nível do rio.

Bairros que podem ser afetados

Cachoeirinha: Betânia, Canarinho, Túnel Verde, Santa Cruz, Granja Esperança, Moradas do Bosque, Chácara das Rosas, Firenze, Venezia, Vicenza, Piacenza, Vista Alegre, Fátima, Anair, Espírito Santo, Nova Cachoeirinha e Mal. Rondon.

Gravataí: Morada do Vale I, II e III, Tom Jobim, Águas Claras, Esplanada, Parque dos Eucaliptos, Parque Garibaldino, Planaltina, Vila Rica, Parque Florido, Santa Fé, Parque Olinda, Cruzeiro I e II, Vila Branca, Bom Sucesso, São Luiz, Cohab A, Cohab B, Vera Cruz, São Jerônimo e Central.

Situação de Emergência coletiva

Em razão do agravamento de ocorrências em muitos municípios, pelas fortes chuvas no Estado, o governador José Ivo Sartori decretou situação de emergência coletiva, abrangendo inicialmente as cidades mais afetadas, que totalizam 26. Novos municípios podem ser incluídos ao longo da semana.

Até ontem, 20, o Rio Grande do Sul tinha 47.271 pessoas atingidas, das quais 2.713 estavam em abrigos provisórios, de acordo com a Defesa Civil do Estado. Conforme o chefe da Casa Militar, tenente-coronel Everton Oltramari, há 63 municípios atingidos. Por meio de decreto, foi instituído um Gabinete de Emergência, liderado pelo vice-governador José Paulo Cairoli.

De acordo com o chefe da Casa Militar, a Defesa Civil trabalha no levantamento de dados, e outros municípios também poderão ter situação de emergência decretada, já que a previsão é que as chuvas prossigam até quarta-feira, 22. Uma técnica da Secretaria da Defesa Civil Nacional está em Porto Alegre desde sábado para orientar os municípios em relação à documentação e ao levantamento de dados para receber auxílio.

Foi encaminhada solicitação ao Ministério da Integração para o envio de 1.763 kits de cesta básica, 1.733 kits de higiene pessoal, 1.583 kits de limpeza, 2.250 kits dormitórios e 2.259 colchões. A expectativa é de que o material chegue até o fim desta semana.

 

FOTOS: Dijair Brilhantes / CC