Dia de parabenizar quem passa os dias atrás do volante | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Dia de parabenizar quem passa os dias atrás do volante

Dia de parabenizar quem passa os dias atrás do volante

por Dijair Brilhantes

Eles são imprescindíveis no dia a dia da população, todos precisam de seus serviços para se locomoveram em algum momento. Muitas vezes você mesmo é o motorista, outras tantas é preciso apelar para um profissional.

Considerado o país com o maior número de católicos do mundo (123 milhões conforme dados do IBGE) muitas datas que homenageiam profissões, são originária do catolicismo. O Dia do Motorista, que se comemora neste sábado, dia 25 de julho, foi escolhido em homenagem a um santo. São Cristóvão, conhecido como o protetor dos motoristas.

Segundo a história, São Cristóvão trabalhava transportando viajantes através dos rios e, por causa disso, tornou-se o padroeiro dos passageiros e dos condutores de veículos, sejam eles profissionais ou amadores.

Origens religiosas à parte, o Dia do Motorista é uma data importante para que os méritos desses profissionais sejam lembrados e enaltecidos. Eles, que atuam nos mais variados segmentos: caminhoneiros, motoristas particulares, taxistas, condutores de transporte coletivo. Para isso são obrigados a enfrentar, trânsitos caóticos das cidades, insegurança, e estradas em péssimo estado de conservação.

Transportando vidas  

Motoristas de transporte coletivo encaram todos os dias diversos obstáculos para conseguirem cumprir seu trabalho de forma correta, para isso precisam estar bem preparados para os desafios diários. Além das dificuldades do trânsito, precisam aguentar as queixas das pessoas devido aos horários e ainda terem uma direção defensiva. “Já estou acostumado com reclamações e maus motoristas no trânsito, no inicio estranhava, me estressava, agora levo na boa. Até mesmo na hora de fazer alguma manobra necessária para evitar um acidente já sei frear certo no momento certo para não ter o risco de derrubar alguém”, conta Solismar Ribeiro, 39 anos, motorista da empresa Stadtbus.

Para Solismar, os problemas no trânsito se devem a má formação dos condutores nas autoescolas. “Há muita imprudência no trânsito, as autoescolas privam por vender, não por ensinar”, queixa-se o motorista.

Solismar Ribeiro trabalha há 4 anos na StadtBus, o estresse com o trânsito enfrentado nos primeiros meses de trabalho não fazem mais parte de sua rotina

Solismar Ribeiro trabalha há 4 anos na StadtBus, o estresse com o trânsito enfrentado nos primeiros meses de trabalho não fazem mais parte de sua rotina

A paixão pelo volante vem de família, o pai de Solismar é motorista de caminhão, ele diz ter essa paixão desde quando era criança. “Eu sempre gostei, via meu pai dirigir caminhão, sempre achei legal, mas demorei a conseguir emprego na área”, explicou o motorista que atua profissionalmente na função há 8 anos, 4 deles na Stadtbus.  Como todo bom católico motorista Solismar costuma participar das carreatas em comemoração ao dia dos motoristas. “Gosto de participar, sempre procuro uma das igrejas São Cristóvão para ir na carreata, mas isso depende da minha escala de trabalho”, conclui.

Taxista      

Todos nós quando precisamos chegar depressa em algum lugar recorremos ao táxi. Taxistas são conhecidos por terem os atalhos das cidades, fazer com que o passageiro chegue o mais rápido possível ao seu destino. Para isso precisam enfrentar os problemas do trânsito, as exigências dos passageiros e ainda conviver com o medo dos assaltos. “O maior problema do taxista é a insegurança, tu pode perguntar para qualquer um aqui do ponto, que todos já sofreram algum assalto”, falou Daniel Souza, taxista há 8 anos.

Daniel é motorista há 30 anos, já trabalhou como condutor de caminhão, carros particulares e ônibus de turismo. “Eu preferi trabalhar com táxi, para ficar mais próximo de casa, da família, a estrada cansa muito”, disse Daniel.

O ex-caminhoneiro e agora taxista Daniel Souza abandonou as estradas para ficar mais próximo da família. Dificuldade agora é conviver os constantes assaltos

O ex-caminhoneiro e agora taxista Daniel Souza abandonou as estradas para ficar mais próximo da família. Dificuldade agora é conviver os constantes assaltos

Estrada e a distância

Viajar pelas estradas do Brasil afora é desafiador. Carregar alimentos que vão para as mesas dos brasileiros, eletrodomésticos, medicamentos etc… O transporte de cargas é feito em sua maioria pelos caminhões. Deixar a família em casa para cumprir o dever é a tarefa árdua dos motoristas de caminhão, estes profissionais costumam ser apaixonados pelo que fazem além de colaborar com o progresso do país. Agnaldo Dias, caminhoneiro há 18 anos conta que tudo começou durante as brincadeiras de infância. “Sempre brincava que ia ser caminhoneiro, queria viajar, conhecer o Brasil, dai comecei com caminhão pequeno e fui indo”, lembra Agnaldo.

Pai de dois filhos, 13 e 18 anos, Agnaldo admite que sentiu falta de acompanhar o crescimento dos filhos, coisas que a profissão o impediu, mas ele diz que os filhos sempre entenderam os motivos. “Tu acaba perdendo muito, não vi eles crescerem, mas fazer o que? É assim mesmo, mas eles sempre entenderam numa boa”, falou Daniel.

Vencer os desafios, para transportar pessoas ou mercadorias, para facilitar a vida das pessoas, por esta missão estes profissionais merecem ser parabenizados.

Festa de São Cristóvão

Neste domingo, a Paróquia São Vicente de Paulo promove a Festa de São Cristóvão. A missa festiva começa às 9h e a tradicional procissão com os motoristas inicia às 10h. “Sai da Igreja Matriz, vai pela Rua Papa João XXIII, entra na Rua Dona Otília, faz o trajeto do Interior I e sai no início da cidade, próximo ao Service Point, onde seguimos até a parada 60, e retornamos até Cachoeirinha e entramos pela Papa”, explica o festeiro Álvaro Pugens.

Depois da procissão, ao meio dia, a comunidade se reúne para o almoço festivo. Os ingressos custam R$ 20 e serão vendidos na hora. “Se alguém quiser ainda contribuir com um patrocínio ou divulgação, estamos arrecadando”, completou o festeiro.

Mais informações sobre a festa podem ser obtidas na secretaria da Paróquia, através do número 3041-5586 ou com Álvaro no telefone 97031380.