Com poucos recursos, mas com samba no pé | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Com poucos recursos, mas com samba no pé

Com poucos recursos, mas com samba no pé

com Dijair Brilhantes

Nem as dificuldades encontradas com a falta de recursos e estrutura deixam o Bloco Carnavalesco Skenta fora da maior festa do ano no Brasil. Cerca de 50 pessoas devem participar e prometem literalmente botar o bloco na rua.  Segundo Luciana Bento, uma das representantes do Skenta, os foliões vivem dias de ansiedade. “Estamos muito ansiosos com a muamba que será realizada dentro dos bairros, pois para o Skenta será a primeira”, falou Luciane.

Em agosto o Skenta fará quatro anos, desde então o bloco realiza eventos mensais e mobiliza a comunidade que aprecia o carnaval e ou outras festas.

Investimentos

Luciane diz que a Secretaria de Cultura Esporte e Lazer de Cachoeirinha, se comprometeu em repassar cinco mil reais para que o cada um dos blocos. O dinheiro servirá para que os coordenadores dos blocos invistam na compra de todo o material necessário para a Muamba que ocorrerá no próximo dia 6, na Avenida João Pessoa, na Vila Eunice Velha, em frente ao Sesc-Cachoeirinha.

“Como já ocorreu em outros anos a prefeitura se comprometeu em repassar uma verba para que possamos fazer o carnaval na cidade” conta Luciane.

Os valores destinados são considerados modestos pelos carnavalescos. “Para fazermos um bom carnaval precisam ser revisto os valores dos repasses porque as escolas e blocos gastam muito com fantasias, adereços”, conclui. Além do material, as escolas e blocos têm custos com os profissionais da harmonia que são contratados.

Apelo

A coordenadora do Bloco Skenta faz um apelo para que Cachoeirinha consiga ter um carnaval digno. “O nosso cenário do carnaval está precário, infelizmente, mas vamos mudar isso. Ano passado foi montada a Liga Independente do Carnaval de Cachoeirinha (Liecc) para que possamos nos unir mais e fazer eventos e carnavais melhores, pois o povo merece ver a cultura popular como arte e não como bagunça”, diz Luciane.