Coluna: Outras Palavras | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Coluna: Outras Palavras

Coluna: Outras Palavras

            Inferno astral

  • Estou passada com os últimos acontecimentos de Cachoeirinha Sin City, a cidade sem lei. Isto é, há uma lei. A lei de quem tem a caneta. De quem tem 14 vereadores à sua disposição. Aí tudo é possível, tudo pode. Pode passar por cima dos direitos dos servidores e aprovar – como se fosse um detalhe, e não a vida das pessoas – que a primeira parcela do décimo terceiro que já deveria ter sido paga em 20 de julho será paga somente em setembro.
  • Aí, uma das maiores enchentes já ocorridas na cidade, que chega a fechar a ponte, desabriga centenas de pessoas, enquanto 427 casas do Loteamento Fantasma Chico Mendes (que deve estar se revirando no túmulo diante de tanto descaso) estão à espera justamente das famílias em situação de risco pelos constantes alagamentos.
  • Mas para completar esse circo de horrores governamentais, eis que surge, com cinco anos de atraso, uma Comissão Parlamentar – adivinhem – que pretende agilizar a realocação dos moradores da Olaria para o residencial fantasma Chico Mendes (que deve se revirar no túmulo diante de tanta cretinice!). Caras-de-pau ao último grau! Numa reunião para inglês ver, para se dar bem à custa do desespero alheio, só para posar para foto, cheia de declarações óbvias do tipo “a ideia é fazermos uma ação conjunta, município, estado e governo para que possamos agilizar o mais rápido possível a conclusão do loteamento”. Sorry, senhor-vereador-da-base-do-governo-e-pré-candidato-a-prefeito, mas me parece que quem não cumpre com a sua parte é a prefeitura. Não concluíram o quê e por quê? Ou, “é um momento oportuno, podemos agilizar com a Câmara”. Desculpa, senhora-vereadora-da-base-pré-candidata-a-prefeita, mas o momento oportuno não teria sido há 5 anos? E a Câmara não são vocês mesmos que ficaram de braços cruzados todo esse tempo, vendo a autodestruição de 17 milhões de dinheiro público? Aí, o ex-secretário da Habitação, que hoje é Presidente da Câmara, diz que “para dar prosseguimento ao projeto é preciso que esta comissão reúna-se com o secretário de habitação do município para saber quais os passos a serem dados”. É quase de cortar os pulsos tamanho show de clichês. Paladinos de m…, com perdão da minha total falta de paciência para essa toda essa encenação oportunista e ridícula.
  • Enquanto isso, depois da ideia de jerico de levarem as famílias para a Casa de Cultura – jura que existe?  – prometida há12 anos. É claro que não iria dar certo. (Tem telhado aquilo?) contrataram emergencialmente, ao custo de R$1.800,00 por mês, o albergue da esposa ou namorada do secretário da fazenda – aqui o que interessa não é o tipo de vínculo, ainda porque o ato foi legal, pero, por causa da relação pessoal, notoriamente imoral. Juro, a probabilidade de isso acontecer em qualquer administração mais fuleira que existe neste país é praticamente impossível. Até então.
  • E para fechar com chave enferrujada, ao desespero de uma moradora diante da insegurança que domina Cachoerinha, um porta-voz que também sofre da mesma verborragia do prefeito, e seu provável discípulo e assecla, resolveu dar aulas sobre o sistema político vigente. Está lá no face.
  • Dizem que o prefeito (PSB), aquele que não deve ser nominado, está vivendo um inferno astral. Convenhamos, quem o está vivendo é a população de Cachoeirinha. Mas tem data marcada para terminar. Só depende da dignidade, do saco cheio e da memória do povo.