Coluna: Leio Sim | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Coluna: Leio Sim

Coluna: Leio Sim

Para dias de chuva? Um bom livro

Sabe aquele dia chuvoso, cheio de raios e trovões e que você tem até medo de ligar uma televisão ou um computador com receio de que haja uma descarga elétrica? Tem coisa melhor do que pegar um cobertor e um bom livro e se divertir nesse mar de palavras? Se você ainda não experimentou essa sensação, tente! Vai adorar!

 

Palavras das Sombras, Rudson Xaulin

Palavras das Sombras

Rudson Xaulin, escritor aqui de Cachoeirinha, está lançando mais um livro: Palavras das Sombras. E é ele mesmo quem fala do seu livro na coluna de hoje. Confira: “O livro é de poesias, textos e poemas, coisas que podem ser lidas no seu dia a dia, apenas para melhorar seu ânimo, tentando sempre nos dizer que as coisas podem sim ficar melhores. A capa da obra retrata bem isso, o livro se apresenta como algo para baixo, sombrio e inóspito, mas quem de nós já não se sentiu assim um dia? O grande truque é descobrirmos o que de fato temos por dentro, sempre algo melhor pra mostrar, mais belo e mais cheio de vida, como no livro. Pensei em um livro que pudesse ser lido em qualquer lugar e a qualquer hora. Sem um plano de fundo, apenas se desse aquela vontade de ler, abrisse ele e caísse nas graças das palavras. Ou quem sabe aquela lida de dias a fio, sem desgrudar do livro, chegar ao final e perceber que foi escrito pensando exatamente em você. Como se tudo o que tivesse no livro se encaixasse com aquilo que somos, com sentimentos que temos ou com coisas que já sentimentos. Sendo assim, é um livro que vai cair no gosto de todos e duvido alguém dizer que um daqueles textos ou expressões não servirá para sua vida, ou uma fase dela. Não tem como fugir, o livro vai se abraçar em tudo o que já sentiu, e se firmar junto a sua história e te trazer para dentro dele”. O livro Palavras das Sombras é recheado de textos para reflexão, sempre na busca por dar ao leitor uma luz ou um raio de esperança quando tudo parece perdido. “Você tem que ser como a árvore, que aparentemente sempre morre todos os anos, mas ela está apenas buscando mais força para vir cada vez mais revigorante em todas as suas retomadas”.

 

Os Assassinos do Cartão-Postal, James Patterson

OS_ASSASSINOS_DO_CARTAOPOSTAL_1394745965B

Toda vez que temos um livro sobre assassinos, nós já imaginamos que passaremos a história toda tentando imaginar quem são eles. Nesse livro, porém, é completamente diferente. Ele começa com um assassinato, dando nome e sobrenome do casal assassino, características e a forma que eles matavam as vítimas. O enredo é assim: um casal, jovem e bonito, está passando por várias partes da Europa e em cada país eles matam um casal jovem, geralmente recém-casado. Antes do assassinato, eles enviam para um jornalista local um cartão-postal, geralmente de algum ponto turístico famoso por ter sido um local de guerra, de crimes ou de morte. Intercalado ao assassinato que eles cometem, nós conhecemos Jacob  Kanon, um detetive da Delegacia de Homicídios de Nova York, que persegue o casal desde que recebeu a notícia de que sua filha e o noivo dela haviam sido assassinados em Roma. Ele é a pessoa que tem mais informações, mas ele está consumido pelo ódio, pelo rancor e pela dor, e acaba atropelando tudo. Para conseguir participar da investigação, ele chega a Estocolmo, onde uma jornalista acaba de receber o cartão-postal e a procura. Dessie Larsson se apavora com o homem, mas depois que ouve sua história começa a ajuda-lo e juntos eles começam a juntar as peças. Como todos nós sabemos quem são os assassinos, o grande mistério é descobrir as ligações entre os crimes e as provas, já que eles são muito bons no que fazem. O livro é muito bom, para quem gosta de mistério, com uma pitada de romance, e para quem adora solucionar um quebra-cabeça, tentando encaixar as peças. Uma leitura viciante.