Coluna: Leio Sim | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Coluna: Leio Sim

Coluna: Leio Sim

Para todos os gostos

Qualquer um pode se apaixonar por um livro. Mesmo aqueles que dizem não gostar de ler, podem encontrar algo que irá prender sua atenção e fazer descobrir esse mundo novo. Descubra do que você gosta!

 

Quando um homem ama uma mulher, Bella Andre

QUANDO_UM_HOMEM_AMA_UMA_MULHER_1421078641431000SK1421078641B

Eu acompanhei toda essa série, sobre a família Sullivan, e esse é o último livro, em que a autora conta a história de como os pais dos oito filhos – protagonistas dos outros livros – se conheceram. Apesar de ter gostado de toda a série, confesso que esse livro acabou me decepcionando pelo fato de ser muito fora da realidade. Eu gosto de livros de fantasia e de romances inesperados ou que tem uma pitada de contos de fadas, mas esse livro exagera muito no romance. Jack Sullivan é um inventor que desenvolve uma Agenda Eletrônica de Bolso, mas para que ela seja lançada, ele precisa de algo que dê mais sex appeal ao produto. Assim, ele sai caminhando por São Francisco e de repente vê uma linda mulher sendo modelo. Ele para e fica observando o tempo todo enquanto ela trabalha. Quando a sessão termina, ele se aproxima e a convida para comer uma torta. Ela o acha encantador e aceita o convite. Essa é Mary Ferrer, que virá a se tornar Mary Sullivan. Assim os dois se conhecem e acaba sendo quase amor à primeira vista. O livro continua com alguns problemas que ela tem de confiança e de como ela irá se entregar a esse amor, e também fala sobre a paixão que eles tem pelo natal e que depois toda a família irá vivenciar. Como eu disse, para quem gosta de romance o livro é bom, mas ele chega ao ponto de exagerar. É tudo muito irreal – e aqui, mesmo parecendo amargurada, falo como uma romântica incorrigível. A leitura é rápida, mas por vezes achei cansativa por ser uma história absurda. Achei que valeu a pena para conhecer melhor a personalidade do casal que deu vida aos oito filhos que estrelam os outros livros.

 

Pepe Mujica – Simplesmente humano, Allan Percy e Leonardo Díaz, editora Arqueiro

Mujica

O livro narra a história de como um “rapaz de bairro”, da periferia de Montevidéu, chegou ao posto de presidente do país mais simpático da América do Sul. Ganhou o título de presidente mais pobre do mundo e foi chefe do Mercosul no ano de 2013. Também há fatos sobre a época em que foi guerrilheiro e lutava contra o governo da época. José que tem o apelido de Pepe e é visto pelo autor como um homem de uma natureza humana absurda, preocupado com o bem estar do cidadão. É dele também a famosa frase em que defende o governo de Lula dizendo que a política do Fome Zero não faz diferença para quem tem comida na mesa, mas para quem não tem, três refeições por dia é um sonho . Pepe Mujica evita comparações, não gosta de ter seu nome comparado ao do líder sul-africano Nelson Mandela, pois considera que a luta do Madiba foi muito mais árdua. Seu jeito boa praça parece camuflar as lições de um passado idealista e de enormes dificuldades. Membro de um grupo de guerrilheiros, o agora ex-presidente uruguaio participou de ações armadas e acabou capturado pela polícia. Durante os 13 anos de cárcere sofreu severas torturas. A liberdade o levou a voltar a vida política, antes de se tornar presidente foi ministro e senador. Durante seu mandato como presidente, Mujica colocou o pequeno Uruguai no mapa do mundo. Segundo o autor, o país passou a ser considerado um dos mais progressistas, ao aprovar o casamento gay e a liberação do cultivo da maconha, além da descriminalização do aborto. Uma ótima leitura para quem quer descobrir porque o presidente de um país tão pequeno passou a cair nas graças do mundo.