Saúde e segurança são os principais problemas da Granja Esperança | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Saúde e segurança são os principais problemas da Granja Esperança

Saúde e segurança são os principais problemas da Granja Esperança

por Dijair Brilhantes

O Bairro Granja Esperança é o terceiro bairro da série de reportagens do jornal Correio de Cachoeirinha. Fomos até a região para conferir as principais demandas da comunidade.

No local encontramos moradores com reclamações semelhantes aos dos bairros anteriores, a falta de limpeza nas vias, alagamentos e mais segurança entram na lista de pedidos da comunidade. O posto de saúde também entrou na pauta.

Segundo Anderson Farinha Chaves, presidente da Associação Comunitária Granja Esperança Unida – Acogeu -, o Bairro tem problemas que não são tão graves quanto os de outros lugares da cidade, que são de fáceis resolução, mas precisam ser resolvidos para que não se tornem grandes problemas. “Temos problemas, alguns por falta de consciência dos próprios moradores, outros porque a prefeitura demora muito para fazer um reparo, a limpeza demora cerca de 4 meses”, lamenta Anderson.

Bruna Almeida, moradora do bairro, lamenta a demora para o restabelecimento da água e da energia elétrica na região. “A falta de água e luz é constante, e o pior que só volta no outro dia. O trabalhador que chega em casa cansado do serviço querendo tomar um banho, não tem água é uma falta de respeito e consideração com a população”, queixa-se.

Segurança

A falta de segurança foi um dos grandes problemas no bairro em um passado recente. Com a abertura da Praça da Juventude e com a troca de administração do local, o bairro se tornou mais seguro. Projetos sociais desenvolvidos na praça, como o “Vasco da Granja – Recitando Sonhos”, pelo ex-jogador de futebol Barão, junto com Anderson, seria um dos motivos para que a violência diminuísse no bairro. “Trabalhamos com 90 crianças no nosso projeto, elas não precisam pagar nada para participar, apenas se comprometerem com os estudos”, disse o coordenador do projeto social.

Anderson Farinha diz que um Posto da Brigada Militar 24 horas no Bairro ajudaria a diminuir cerca de noventa por cento dos problemas no localidade. “A guarda municipal é muito fraca, na semana passada roubaram o motor de água do poço, e a Guarda Municipal demorou 50 minutos para atender a ocorrência após ser chamada”, conclui Anderson.

Posto de saúde e creche

A Granja Esperança é um dos bairros mais populosos de Cachoeirinha, os moradores reclamam das poucas creches municipais e do Posto de Saúde. “Creche municipal que eu saiba só tem no  Caic, o resto é particular, escolas temos seis no bairro” lembra Farinha.

Na região existe apenas um posto de saúde, segundo os moradores as consultas levam cerca de 40 dias, em alguns casos quando o médico não vai a consulta é remarcada, o que leva quase dois meses.

Animais abandonados

Para a protetora Elaine Alves Anhaia, existem no local muitos animais de rua. “Muitos cães abandonados sem castrar, dependendo dos olhos clínicos das protetoras da Granja. A sociedade não enxerga, o poder público muito menos”, relata.

Falta de água

Para Rudson Xaulin, escritor da cidade e morador do bairro, a falta de água é um dos problemas. “Como estamos no alto do verão, e o calor tem sido um fator elevado, e historicamente falando, a temporada de sol e seca tem se mostrado bastante agressiva, com isso, a falta de água, é um dos grandes problemas do bairro. Há meses o mesmo apresenta falta de água, e de uns tempos pra cá, quase que diariamente. Todos já sabem: Depois das onze da noite, torneiras secas! A água tende a retornar apenas no inicio da manhã do dia seguinte, e para quem chega em casa tarde e sai cedo para um novo dia de trabalho, isso é um grande problema”, explica.

Além disso, Rudson destaca os problemas com a falta de energia elétrica. “Se não bastasse, a falta de luz também vem castigando o bairro. Por qualquer motivo que se seja: Temporal, garoa, acidente, conserto, vento, lá se vai à luz embora a qualquer horário. Retorna muitas vezes na madrugada. E quando não sabemos de nenhum problema e a luz simplesmente se esvai assim do nada? Estamos aqui, sem saber de fatores, seguimos pagando nossas contas, mais caras, claro, e o serviço não é dos melhores”, completa.

Asfalto

Rudson acrescenta que há um problema com o asfaltamento da região: “O bairro também é carente ainda em ruas com asfalto. As que têm o “precioso tapete”, sofrem com buracos e mais buracos. Fora quebra-molas por todo canto, muitas vezes sem razão, e em cruzamentos e vias perigosas, nada. Difícil entender uma gestão que funciona a base de tapa buracos, de dezenas de controladores de velocidade, e de ruas em péssimas condições”.

O escritor critica a administração pública. “Acredito que tudo é uma má administração, gestão enrolada, ou de recursos indo pro ralo. Eu realmente queria saber e entender, mas sou só mais um, que segue pagando impostos e tendo um retorno pífio. E nem falei da insegurança, falta de viaturas, escolas se virando como podem, ônibus e seus horários mirabolantes… E por aí, seguimos em frente, como um bom brasileiro!