Novas regras para Pet Shop | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Novas regras para Pet Shop

Novas regras para Pet Shop

O Conselho Federal de Medicina Veterinária criou uma nova resolução, com o objetivo de dar mais condições aos animais de estimação, garantindo a segurança e a saúde deles, levando em consideração a iluminação e o espaço físico ideal para cada espécie.

Agora, segundo a norma, o médico veterinário do pet shop ficará responsável pela higiene do local e pelo bem-estar dos animais expostos. A Lei Federal de 1968 já obriga os estabelecimentos a ter um veterinário, mas agora a norma regula o que o profissional deve fazer.

A resolução também prevê que o veterinário avise formalmente o dono do pet shop sobre qualquer irregularidade encontrada no local e oriente sobre os procedimentos adequados. Caso a situação não seja solucionada, o profissional é obrigado a comunicar o problema ao conselho da categoria. A fiscalização é feita pelo Conselho Regional de Medicina Veterinária.

Os estabelecimentos e os profissionais que descumprirem as normas estão sujeitos a multa e punições administrativas. A resolução define o papel do veterinário dentro dos pet shops, deixando os procedimentos organizados. A presença do profissional é importante para garantir que o animal receba o melhor atendimento possível.

Resoluções

Além disso, as mais de 33 mil lojas de pet shop do país só vão poder vender produtos para os animais de estimação. A aplicação de vacinas, as cirurgias e os exames nos bichinhos devem ser feitos em consultórios ou clínicas especializadas, onde tenha um médico veterinário.

Petshop é para vender acessórios, ração, shampoo. Já no consultório são feitos exames, aplicação de vacinas; clínica é onde os animais são submetidos a cirurgia. Tantas exigências não são por acaso. O setor movimentou ano passado mais de R$14 bilhões. O mercado de pet no Brasil só fica atrás dos Estados Unidos.

“A situação mais frequente é esta do espaço inadequado. Num ambiente onde cabe dois, três ter quatro, cinco ou mais animais”, fala o presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária, Benedito Dias de Oliveira Filho.